7600/10 teve sua operação encerrada

Linha circulou pela última vez nesta sexta, 3 de agosto, e será “substituída” por três outras linhas. Mas a população, como sempre, não foi ouvida…

Por José Euvilásio Sales
Colaboração (fotos): Saldety Uechi
esales@circularavenidas.com.br

Certa vez, um leitor me perguntou como ele fazia para seguir do Jardim Ângela até o Metrô Armênia sem usar Metrô. Isso mesmo, sem usar Metrô. Era um domingo e uma opção já tive de descartar: 677A/10 Terminal Jardim Ângela – Itaim Bibi mais a linha 7600/10 Shopping Morumbi – Metrô Armênia, com transbordo no corredor Berrini. É só uma história das várias histórias de pessoas, que usam ou poderiam usar uma conexão importante entre a zona sudoeste e norte a partir deste final de semana.

Cartaz anunciando o encerramento da 7600: mas nos ônibus não havia nenhum cartaz.

Embora o comunicado da SPTrans ressalte “a partir do dia 5” (devido ao fato da linha operar só nos dias úteis), na prática a partir de sábado o usuário da 7600/10 vai ter de usar as alternativas de fim de semana todos os dias. Os motivos não foram esclarecidos no comunicado. Apenas tratam como “substituição”… “Substituição” essa que a gestora vem fazendo desde 2003, quando começou a cortar linhas com frequência para forçar o passageiro a usar as integrações que o Bilhete Único permite. No entanto, a estrutura para que as viagens tenham maior agilidade continua estagnada.

6401/51 Vila Olímpia – Estação Armênia: a origem da 7600/10.

6401/51 – A 7600/10 iniciou suas operações no começo da década como atendimento da linha 6401/10 Vila Olímpia – Estação da Luz. Ela se chamava 6401/51 Vila Olímpia – Estação Armênia, um prolongamento da 6401/10 até a Armênia, a primeira opção de linha da zona sudoeste a chegar mais longe na zona norte. Depois, ela se tornou 7600/10 e sua “mãe” 6401/10 foi extinta pela SPTrans.

A 7600/10 transportou 66.196 passageiros em abril, 71.302 em maio e 59.496 em junho. Números que a deixam longe da sua principal concorrente no trecho, a 106A/10 Metrô Santana – Itaim Bibi, que transportou 400.933, 422.788 e 380.523 no mesmo período. Aliás, boa parte desses cerca de 400 mil passageiros são oriundos de outros cortes feitos pela Prefeitura no passado, e que elevaram a quantidade de passageiros da 106A – da mesma forma que, a Prefeitura espera, ocorra agora.

Os passageiros da linha protestam: deixaram um cartaz na placa do ponto inicial da linha pedindo ajuda até à Globo. Aliás, vale salientar: viajamos uma vez pela linha e não vimos cartaz anunciando o encerramento da mesma no coletivo.

Cartaz colocado no ponto inicial da 7600/10: Prefeitura esqueceu-se da população.

A questão sempre resume-se a: dinheiro. A Prefeitura alega que é necessário a diminuição de custos para diminuir o subsídio pago às empresas. Em reportagem publicada pelo “Diário do Transporte” na semana passada, o site apurou que a SPTrans cortaria neste mês de agosto cerca de 260 ônibus do sistema da capital. Destes, 13 são da Viação Gatusa e, certamente, metade pelo menos virão desse corte da 7600/10. A Prefeitura não desmentiu os cortes. Apenas se limitou a dizer que a “programação das linhas não é feita baseada na quantidade de veículos, mas nos intervalos programados para cada trajeto“.

Como mostram as opções sugeridas à 7600/10 (que estão no final desta matéria) e o eufemismo de “substituição”, a ideia é simplesmente empurrar o usuário para outras linhas. Mas, nesse sistema mal feito, onde não se consegue manter uma programação horária em função de congestionamentos, e em que falta estrutura – que, quando há, tem de ser compartilhada com veículos estranhos ao sistema, como táxis -, qualquer corte, por menor que seja, é sentido e é prejudicial ao usuário.

Temos um sistema de transporte por ônibus que, cada vez menos, olha para o passageiro e, cada vez mais, olha para o bolso dos “barões do transporte”. É nesse espaço que a mobilidade alternativa, representada pelos veículos de aplicativo, patinete, bikes e outras formas, crescem cada vez mais.

Opções – SPTrans:

6414/10 Socorro – Term. Bandeira;
675N/10 Term. Sto. Amaro – Metrô Ana Rosa; e
106A/10 Metrô Santana – Itaim Bibi.

= Os usuários que utilizam a linha no ponto inicial (Shop. Morumbi) poderão utilizar a linha 6414-10 no ponto da Av. Roque Petroni Júnior, altura do nº 1.000 – Parada Shopping.

= Os usuários que utilizam a linha no ponto final (Metrô Armênia) poderão utilizar a linha 106A-10 no ponto da Av. Santos Dumont próximo a Av. do Estado.

==========

Este site é o Circular Avenidas, informativo sobre mobilidade urbana.

  • se tiver fotos, vídeos ou informações, mande pra gente: 11 94040 3050, via Whatsapp ou Telegram (só para texto. Não atenderemos ligações para o número ou chamadas de áudio pelo Whatsapp/Telegram).
  • ou, se preferir, mande para esales@circularavenidas.com.br.

Siga-nos nas redes sociais:

José E. Sales

Estudante de jornalismo e um apaixonado por mobilidade urbana, especialmente por ônibus. Fale conosco: esales@circularavenidas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.